Secretaria de Saúde realiza ‘1º Mutileish’ e campanha de adoção de cães e gatos

O evento será realizado no Ginásio Poliesportivo Maestro Silvério Faustino A Secretaria Municipal de Saúde, por meio da Superintendência de Vigilância em Saúde e Diretoria de Controle de...

324

O evento será realizado no Ginásio Poliesportivo Maestro Silvério Faustino

A Secretaria Municipal de Saúde, por meio da Superintendência de Vigilância em Saúde e Diretoria de Controle de Zoonoses, realiza no próximo sábado (20), de 8h às 15h, o 1º Mutileish, evento destinado a combate e prevenção à leishmaniose. Na oportunidade serão feitos testes rápidos e gratuitos da doença visceral canina.

Em parceria com a Gerência Regional de Saúde de Itabira, Faculdade UNA Itabira e organizações de protetores de animais, a iniciativa também tem como objetivo promover atividades educacionais de guarda responsável para a adoção de cães e gatos. Ambas as atividades acontecerão no Ginásio Poliesportivo Maestro Silvério Faustino.

De acordo com a superintendente de Vigilância em Saúde, Natália Andrade, haverá um mutirão de adoção de animais. “O objetivo é instruir a população itabirana sobre como cuidar do seu pet e suas obrigações como tutor. Oferecemos gratuitamente a testagem de animais para leishmaniose visceral canina, com triagens, informações sobre a doença e as formas de tratamento”, destacou Natália Andrade.

Ainda, segundo a superintendente, a equipe de protetores da cidade, em parceria com a SMS, estará presente no evento com vários animais disponíveis para adoção responsável, a fim de garantir um lar seguro e confortável.

Para adotar um animalzinho ou fazer o teste rápido da doença é necessário apresentar o documento de RG, CPF e Comprovante de endereço. “Tanto para a realização dos testes de leishmaniose quanto para a adoção, informamos que esses animais estão passíveis de visitas posteriores pela equipe de controle de zoonoses para acompanhamento”, completou Natália Andrade.

A SMS reforça que o maior compromisso com a população de Itabira é diminuir o número de animais nas ruas e controlar o índice de proliferação do mosquito da leishmaniose, já que o cão é apenas uma vítima dessa doença.