Agenda cultural apresenta uma versão mineira do clássico “Alice no país das maravilhas” com transmissão online

Fim de semana ainda tem festivais de cinema,  arte  e oficina gratuita de audiovisual Maior patrocinadora da cultura no estado de Minas Gerais, a Cemig continua oferecendo espetáculos premiados...

45

Fim de semana ainda tem festivais de cinema,  arte  e oficina gratuita de audiovisual

Maior patrocinadora da cultura no estado de Minas Gerais, a Cemig continua oferecendo espetáculos premiados de forma gratuita e online, através dos projetos de seus patrocinados.  Esta semana, o Energia da Cultura traz o FESTCURTASBH, Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte em sua 23ª edição. Temos também o CURA, com as pinturas do chão da Av. Amazonas no entorno da praça Raul Soares, realizada por artistas do povo Shipibo. A ONG CONTATO, com seu projeto Minas Cine, promove oficina online e gratuita na região Sul do estado. E ainda o espetáculo de formatura da Escola de Teatro do Cefart traz o clássico “Alice no país das Maravilhas” adaptado para Belo Horizonte. 

Confira as atrações no link: https://pt-br.facebook.com/events/997341274162591/

FCS: FESTCURTASBH – 23ª EDIÇÃO – Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte

Mostra híbrida, cuja programação conta com filmes de 26 estados, de 112 países, com destaque ao conceito de cosmopoética, do filósofo Dénètem Touam Bona. O público poderá conferir um conjunto representativo da atual produção cinematográfica nacional e internacional, reunido em torno de temáticas de marcada relevância.

 

CURA – Circuito Urbano de Arte, 6ª edição  

O CURA em 2021 desemboca na praça Raul Soares com uma série de atrações. É a arte coletiva misturada com a vida. A programação pode ser acompanhada pelo Instagram do CURA.

Nesta semana, o destaque é a obra de Sadith Silvano e Ronin Koshi, artistas do povo Shipibo, que pintaram o chão da Av. Amazonas no entorno da praça Raul Soares, em BH, numa pintura-ritual evocando suas raízes, sua língua, costumes e conhecimentos de cura. Os Shipibo-Konibo são uma etnia que vive às margens do rio Ucayali, nome que o rio Amazonas recebe na floresta peruana. Uma marca forte da identidade shipiba são os kenés – o bordado mítico de padrões geométricos e labirínticos, inspirado pela cultura do chá de Ayahuasca.

Os Shipibo são artistas ancestrais, suas técnicas e rituais são passados ​​de geração em geração, articulando o conhecimento da biodiversidade, das artes, das práticas e plantas com poder de cura.

“Com muita alegria e satisfação difundimos nossa cultura, através dos murais que criamos. Nos murais estampamos o conhecimento de nossos ancestrais, desenhos com padrões geométricos de energia, desenhos que falam da constelação do universo, plantas medicinais, o poder de nossos animais como guardiões de nossa selva”, diz Ronin Koshi, também ativista e líder indígena.

 

ONG CONTATO: Projeto Minas Cine Oficinas online e gratuitas – região Sul de Minas

O Projeto Minas Cine busca o desenvolvimento de uma plataforma de articulação, produção, difusão e formação de novos gestores e realizadores de audiovisual e cinema em Minas Gerais. Serão ao todo 10 regiões do estado contempladas com um processo formativo online e gratuito que envolve grandes profissionais brasileiros e irá debater as questões mais importantes para produtores e realizadores que buscam fortalecer sua inserção no mercado e compreender as variadas estratégias de negócios que envolvem o audiovisual.

 Oficina 

Período de Inscrições: de 04/11/2021 até 22/11/2021.

Etapa Sul de Minas: 29 e 30 de novembro; 01 e 02 de dezembro; 06 a 08 de dezembro de 2021.

Aulas noturnas, online, sempre de 18 às 22h.

Link para inscrições: https://www.sympla.com.br/minascine-etapa-sul-de-mg—curso-gratuito-de-elaboracao-e-producao-de-projetos-audiovisu__1402035

 

FCS: Centro de Formação Artística e Tecnológica (Cefart) – espetáculo Aliç n’país d’jogo d’bich

A obra é uma adaptação do clássico “Alice no País das Maravilhas”, criada originalmente pelo inglês Lewis Carroll, que se passa no hipercentro de Belo Horizonte. Sob a direção de Thálita Motta e Thales Brener Ventura, e dramaturgia de Idylla Silmarovi, o espetáculo tem classificação indicativa de 16 anos. Com um título explicitamente inspirado na sonoridade do sotaque mineiro, Aliç n’país d’jogo d’bich leva protagonismo ao baixo-centro belo-horizontino e entrelaça o enredo com diversos jogos populares, como o “Jogo do Bicho”.

O espetáculo pode ser conferido até 14 de novembro, sempre às 20h, no canal da FCS no youtube –  https://www.youtube.com/user/palaciodasartesmg