Disque Denúncia 181 completa 14 anos com mais de nove milhões de chamadas recebidas

Denúncias anônimas e sigilosas aproximam população das forças de segurança; cidadão pode contribuir para a redução da criminalidade Basta um telefone e uma boa informação para que o...

149

Denúncias anônimas e sigilosas aproximam população das forças de segurança; cidadão pode contribuir para a redução da criminalidade

Basta um telefone e uma boa informação para que o cidadão mineiro possa ajudar as forças de segurança de Minas a reduzir a criminalidade; encontrar foragidos ou procurados pela Justiça; tirar drogas e armas de circulação; achar produtos frutos de roubo, entre outros. E foi por meio do Disque Denúncia 181, que completa 14 anos nesta quarta-feira (10), que o criminoso Bruno Vieira Januário da Silva foi encontrado pela polícia, em Santa Luzia, em setembro deste ano. Ele era um dos 21 alvos mais procurados do Estado e estava na lista do Programa Procura-se. Homicídio é um dos seus crimes.

A ligação ao 181 pode ser feita de qualquer um dos 853 municípios de Minas de forma gratuita. O mais importante é que, para o atendente, não importa quem denuncia, e sim, a informação do denunciante. Aliás, quem denuncia, sequer se identifica. O cidadão apenas recebe um número de protocolo para acompanhar o andamento da sua denúncia. O serviço, coordenado pela Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), foi responsável ao longo destes 14 anos pela prisão e apreensão de mais de 250 mil pessoas; 27.907 armas tiradas de circulação; mais de 300 mil munições encontradas; mais de 20 toneladas de drogas apreendidas e mais de R$37 milhões em dinheiro do tráfico de drogas também retirados das mãos de criminosos.

O tridígito 181, ao longo de mais de uma década, gerou mais de 1 milhão de denúncias e recebeu mais de nove milhões de chamadas. E aqui vale explicar que nem toda chamada recebida é transformada em uma denúncia. Quando o cidadão digitar 181, ele é ouvido por um atendente e as suas informações são repassadas para a Polícia Civil, Polícia Militar ou Corpo de Bombeiros Militar. A partir de então, o responsável pela demanda dá o devido encaminhamento para a apuração. O prazo para resposta ao cidadão é de até 90 dias, a depender de cada caso.

As 15 cidades que geram mais denúncias em Minas são: Belo Horizonte, Juiz de Fora, Contagem, Uberlândia, Betim, Ribeirão das Neves, Governador Valadares, Santa Luzia, Divinópolis, Montes Claros, Sete Lagoas, Ipatinga, Uberaba, Sabará e Vespasiano. A capital, nestes 14 anos, registrou 247.168 denúncias. Juiz de Fora foi responsável por 60.788 denúncias e, Contagem, por 56.484, fechando as três primeiras cidades do Estado com o maior número de denúncias geradas.

Naturezas mais denunciadas

O tráfico de drogas lidera o ranking de natureza mais denunciada pelo cidadão: 59,88% das denúncias são relativas ao tráfico de ilícitos, o que representa 610.919 denúncias registradas de setembro de 2008 a setembro de 2021. Em seguida, vem as atividades de Bombeiros: fiscalização e vistorias de ambientes. Neste ponto, o cidadão pode denunciar um local que não apresenta saída de emergência, por exemplo, ou extintores, quando for necessário, além de outras atividades que são relativas à corporação. Jogos de azar, crime ambiental, posse/porte ilegal de armas e maus tratos a animais encabeçam a lista dos demais crimes mais denunciados via 181 em Minas Gerais.

Mas o que pode ser denunciado via 181? Nem todos os crimes podem ser denunciados por meio do tridígito. Casos de flagrante e urgência, por exemplo, devem ser informados diretamente às corporações: Polícia Militar (190), Polícia Civil (197) e Corpo de Bombeiros Militar (193). De forma geral, estão inclusos no rol de denúncias que são apuradas vias 181 os seguintes crimes: tráfico de drogas; jogo de azar; crime ambiental; informações sobre homicídio; crimes contra o meio ambiente; posse/porte ilegal de armas; atividade de Bombeiros; maus tratos a animais; foragido/procurado pela Justiça; crueldade contra animais; porte/uso de drogas; roubo de carga, desmanche, receptação, entre outros.

E todas as denúncias podem, de fato, contribuir com a segurança pública. Um homem de 52 anos, foragido da Justiça, foi preso em setembro deste ano, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Ele é suspeito de ter estuprado crianças no interior de São Paulo. As polícias chegaram até o indivíduo por meio de uma denúncia anônima ao DDU – Disque Denúncia Unificado, como também é conhecido o serviço. As buscas junto ao sistema de segurança pública mostram que ele tinha um mandado de prisão em aberto, em Limeira, no interior de São Paulo.

O importante é o que você diz, não quem você é

Este é o slogan do Disque Denúncia 181. O cidadão não pode e não deve ter receio em usar o serviço. O 181 é um elo entre a sociedade e as forças de segurança. Por meio do tridígito é possível que crimes sejam solucionados com a simples ajuda de quem se dispõe a telefonar e contar sobre uma atividade suspeita, por exemplo. Movimentações estranhas na rua, entra e sai anormal dentro de uma casa vizinha… todas estas podem ser atitudes suspeitas e, por trás delas, pode haver alguém praticando um crime.

Para o secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Rogério Greco, “o 181 é uma das principais ferramentas da Segurança Pública disponível ao cidadão. Quem acessa o serviço está contribuindo sobremaneira para a redução da criminalidade. A informação é preciosa para as forças de segurança e o cidadão de bem, que quer se sentir cada vez mais seguro, pode confiar no serviço. O sigilo é absoluto”, ressalta o chefe da pasta.

Assessoria de Comunicação / Sejusp