Força-tarefa busca prevenir incêndio nas unidades de conservação de Itabira

Aceiros foram construídos nos limites do Parque Natural Municipal Alto Rio Tanque e também próximo à Mata do Intelecto Com o objetivo de proteger a vegetação das queimadas...

34

Aceiros foram construídos nos limites do Parque Natural Municipal Alto Rio Tanque e também próximo à Mata do Intelecto

Com o objetivo de proteger a vegetação das queimadas e zelar pela segurança das comunidades, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente mobilizou uma força-tarefa para construir aceiros nos limites das unidades de conservação de Itabira. No final de semana, a equipe da pasta esteve na região da Serra dos Alves para execução dos trabalhos com foco no Parque Natural Municipal Alto do Rio Tanque.

Foram feitos 2.000m² de aceiro no contorno da unidade, além das faixas construídas nas margens das trilhas da Cachoeira Coca-Cola e do Mirante. O mesmo foi feito nos arredores da Mata do Intelecto, acompanhando toda a extensão do parque. De acordo com a secretaria, não foi necessário fazer aceiros próximos ao Parque Natural Municipal Ribeirão São José e a Reserva Biológica da Mata do Bispo porque ambas as unidades fazem divisa com a empresa Cenibra, que já constrói as faixas constantemente.

“O trabalho vem sendo executado de forma proativa pela Diretoria de Preservação Ambiental da Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura de Itabira. Todo o nosso esforço tem como finalidade a prevenção das queimadas. Os aceiros servem de estrutura auxiliar para eventuais combates a incêndios florestais”, afirmou o secretário Denes Lott.

Construir aceiros é uma técnica utilizada para prevenir ou atrasar os incêndios. A principal função é manter o espaço limpo, evitando a propagação de incêndios. Segundo o superintendente de Meio Ambiente, Diego Pimenta, as faixas reduzem as fontes de propagação do fogo ao manterem o controle sobre a quantidade de material disponível e que serviria de combustível no campo.

“As queimadas causam diversos danos ao meio ambiente como a perda de biodiversidade, afugentamento e morte dos animais, além de empobrecer o solo. Ainda, a fumaça causa sérios problemas à saúde humana, sobretudo pela ingestão de partículas da queimada”, reforçou Diego Pimenta.

A força-tarefa é resultado do empenho das discussões propostas pelas equipes da Prefeitura de Itabira, órgãos ambientais e de segurança durante uma reunião on-line realizada na última segunda-feira (20). Na conversa, o grupo esteva empenhado em buscar soluções para evitar novas queimadas de grandes proporções em Itabira, após o município sofrer com sucessivos incêndios nas semanas anteriores.

Uma das medidas preventivas propostas na reunião era a construção de aceiros, além das ações de educação ambiental para conscientizar a população. Outros encontros serão agendados para que novas propostas possam surgir.

por Coordenadoria de Comunicação