Una leva arte, conhecimento e revitalização para o centro de Itabira

Faculdade vai ocupar o “elefante branco”, imóvel abandonado há mais de 25 anos “No meio do caminho tinha uma pedra. Tinha uma pedra no meio do caminho”. Os...

133

Faculdade vai ocupar o “elefante branco”, imóvel abandonado há mais de 25 anos

“No meio do caminho tinha uma pedra. Tinha uma pedra no meio do caminho”. Os versos de Carlos Drummond de Andrade nunca fizeram tanto sentido para Itabira como agora.  Quem passa pelo centro da cidade já percebeu que traços do rosto do famoso poeta itabirano foram aos poucos ocupando a fachada do prédio onde vai funcionar a sede própria da Faculdade Una. E não se trata de um imóvel qualquer. Conhecido como “elefante branco”, localizado no coração de Itabira, o prédio estava abandonado há mais de 25 anos e sempre foi uma “pedra no caminho” da população. “A Una chegou em Itabira há um ano e meio para transformar a cidade pela educação. E a ocupação desse imóvel é um dos símbolos desse compromisso da nossa instituição com o município. Isso mostra que a Una veio para pertencer à cidade e ajudá-la a construir novos caminhos”, comenta Cleiton Miranda, diretor da faculdade.

E quem pintou Drummond na fachada do imóvel é um artista de renome e destaque no cenário nacional e internacional das artes plásticas. A Una convidou Rogério Fernandes, artista premiado e conhecido pelas belas intervenções em espaços públicos de Belo Horizonte, para fazer a pintura. “Este é o primeiro trabalho de Rogério Fernandes no interior de Minas. A proposta de chamá-lo, foi a de trazer arte para um lugar onde antes só havia poluição visual. Trazer a imagem de Drummond e o sentimento de poesia para um imóvel que estava abandonado vai muito além de uma fachada bonita. Arte também é conhecimento”, explica Rafaela Andrade, engenheira do Grupo Ânima, que integra a Una, responsável pelo projeto.

A inauguração da sede própria da Una está prevista para meados de agosto. “Mas o setor administrativo da faculdade já está funcionando no novo espaço”, comemora o diretor Cleiton Miranda. O imóvel ocupa um espaço de oito mil metros quadros que passou por amplo projeto de revitalização e modernização. As obras duraram 9 meses e chegaram a envolver a contratação diária de 120 trabalhadores nos momentos de pico, entre operários, mestres de obra, eletricistas e empresas especialistas em acabamento. “Foi uma obra desafiadora, porque não tínhamos nem muitos documentos sobre o prédio. Mas lembrar como ele era e vê-lo agora, fez tudo valer a pena e muito”, comenta Rafaela Andrade.

Na unidade própria, que inicialmente terá quatro andares e dois subsolos em funcionamento, serão ofertados 13 cursos de graduação. Entre eles, Medicina Veterinária, Fisioterapia, Biomedicina, Farmácia e Engenharias Elétrica, Mecânica e Civil. A Una Itabira investiu em salas de aula com sistema multimídia, ar condicionado, biblioteca e laboratórios específicos para atender com máxima qualidade os cursos de saúde e engenharias. “Outra novidade para o segundo semestre é que a nossa unidade vai lançar três cursos de pós-graduação nas áreas de Educação, Gestão Estratégica de Negócios e de Estética”, acrescenta Cleiton Miranda.

A iniciativa da Una tem sido um dos assuntos mais comentados na cidade nos últimos tempos. E a repercussão é positiva entre representantes de setores importantes da economia local. Para Eugênio Müller, ex-presidente e atual diretor da Associação Comercial, Industrial, de Serviços e Agropecuária de Itabira, a Acita, o investimento da Una vai trazer forte impacto socioeconômico para o município. “O desafio prioritário de Itabira é diversificar a economia que ainda é muito dependente da mineração. E a saída para isso é o conhecimento. Além disso, a Una vai trazer forte impacto para toda a região do entorno da faculdade, no centro da cidade, com a oportunidade de novos negócios. Lojas terão que ficar abertas até mais tarde, haverá necessidade de novos estacionamentos, por exemplo. Isso trouxe um novo ânimo para a cidade”, comenta ele.