Em dois anos, Câmara corta gastos e devolve R$ 2 milhões à Prefeitura

Recurso é resultado de várias medidas de austeridade tomadas pela gestão do presidente Neidson Freitas A Câmara Municipal de Itabira devolveu cerca de R$ 2 milhões à Prefeitura...

234

Recurso é resultado de várias medidas de austeridade tomadas pela gestão do presidente Neidson Freitas

A Câmara Municipal de Itabira devolveu cerca de R$ 2 milhões à Prefeitura nos últimos dois anos. Em 2017 foram restituídos R$ 190.686,25 de recursos repassados e R$ 96.642,66 de rendimentos de aplicações financeiras. Em 2018 o valor foi bem mais significativo: R$ 1.658.898,31 de dinheiro economizado e R$ 38.172,05 de rendimentos. O saldo positivo em caixa é resultado de várias ações de contenção de despesa tomadas pela gestão do presidente Neidson Dias Freitas (PP).

Entre as principais medidas de austeridade, destaque para redução salarial de 22 cargos comissionados dos gabinetes e do setor administrativo. O projeto de autoria da Mesa Diretora foi aprovado no dia 12 de dezembro e começou a valer em janeiro deste ano.

Fazem parte das ações de redução de custos ainda a implantação do Pregão Presencial, processo de licitação eficiente que força as empresas a reduzirem os preços de suas propostas; a devolução de três veículos à Prefeitura, economizando com motorista, manutenção e combustíveis; e diversos cortes em contratos de prestação de serviços.

De acordo com Neidson Freitas, os números mostram uma gestão eficiente. “Parte deste dinheiro que devolvemos à Prefeitura já foi inclusive revertido em benefício para a comunidade. Em comum acordo com o prefeito Ronaldo, destinamos R$ 245 mil para compra de viaturas visando o trabalho ostensivo da Polícia Militar. Temos certeza de que a verba que devolvemos será usada em projetos e ações para melhorar a vida de quem mais precisa”, declarou o presidente.

Outras medidas

No início de 2017, a Câmara aprovou também o fim do recesso de julho dos vereadores, um projeto da Mesa Diretora aprovada por todos os parlamentares. Passou pelo Plenário ainda o corte de 112 cargos comissionados na Prefeitura, gerando uma economia de R$ 3,5 milhões por ano, além do fim do apostilamento para servidores comissionados.

“Tais projetos contribuíram para dar sustentação ao Governo, que conseguiu zerar aquele déficit mensal de R$ 8 milhões. E a partir do ano que vem, vamos entrar firme com um projeto ainda mais ambicioso: a redução do número de vereadores de 17 para 11. Queremos economizar aproximadamente R$ 16 milhões por legislatura”, declarou Neidson