Ansiedade de separação cachorro: um problema real

É muito bom sentir que os cachorros gostam de estar conosco. No entanto, se seu pet sofre muito com a sua ausência, chorando ou mesmo se mutilando quando...

379

É muito bom sentir que os cachorros gostam de estar conosco. No entanto, se seu pet sofre muito com a sua ausência, chorando ou mesmo se mutilando quando você não está em casa, é hora de se preocupar. Ele pode estar sofrendo com a ansiedade de separação em cachorro.

Muito comum em cães que vivem em apartamentos e que passam a maior parte do tempo sozinhos, a ansiedade de separação é um transtorno que prejudica a qualidade de vida do pet. Ela afeta o bem-estar físico e psicológico do cachorro.

O que é a ansiedade de separação?

O transtorno de ansiedade de separação em cachorro envolve ansiedade intensa e persistente no animal que está longe da pessoa a quem ele tem maior apego, no caso, o tutor. Em níveis altos, a síndrome pode gerar pânico no pet.

Alguns estudos sugerem que o cachorro muito apegado ao dono normalmente sofre com ansiedade de separação. A Dra. Mayara de Souza, médica-veterinária da Petz, diz que algumas atitudes dos tutores contribuem para o transtorno comportamental.

“Um bom exemplo é quando o tutor percebe que o cão já sofre com a sua saída e, ainda assim, vai até o pet para beijá-lo, abraçá-lo, tornando a situação ainda mais difícil para ele. Isso acaba estimulando a ansiedade”, lamenta a veterinária.

Como saber se o cachorro sofre de ansiedade de separação?

Os cães não são animais solitários. Eles vivem em comunidade e se sentem seguros com essa situação. Em casa, eles preferem ficar na companhia do tutor ou de outros animais da família.

Por isso, quando estão sozinhos, podem não saber o que fazer ou não entender o que está acontecendo e, então, começam a fazer certas coisas para passar o tempo ou para tentar encontrar o tutor. O cachorro com ansiedade apresenta alguns sintomas específicos, podendo:

  • arranhar as portas; 
  • ficar inquieto;
  • uivar;
  • destruir objetos ou mobília;
  • lamber as patas;
  • recusar água e/ou alimentos;
  • apresentar respiração ofegante;
  • apresentar aumento da frequência cardíaca;
  • fazer xixi e cocô fora do lugar, mesmo sendo adestrado.

Perceba que os sintomas de ansiedade em cachorro são incômodos não só para o tutor, como xixi e cocô no lugar errado, mas principalmente para o bem-estar do próprio animal. A situação é muito angustiante e prejudica a saúde do cão!

Como prevenir a ansiedade por separação?

Você sabia que cachorro chora quando fica sozinho? É importante prevenir esse e outros sofrimentos causados pela ansiedade! Por isso, especialistas recomendam acostumar o filhote desde cedo a passar curtos períodos na ausência dos tutores.

Uma forma de prevenir a síndrome de ansiedade de separação em cachorro é fazer “saídas-teste”. Elas funcionam assim: deixe o pet com algum brinquedo interativo, saia de casa e retorne depois de dez minutos, lembrando de não fazer alarde ao sair ou entrar pela porta.

Vá aumentando progressivamente a duração das saídas. Com o tempo, você vai ver como o pet fica cada vez mais confiante e tranquilo para ficar sozinho. A seguir, confira outras dicas que podem ajudar a lidar com a ansiedade de separação em cachorro:

  • evite fazer festa ao sair ou chegar;
  • enriqueça o ambiente com diferentes tipos de brinquedos interativos;
  • em vez de servir a ração em comedouro normal, coloque-a em um brinquedo recheável. A fome e a busca por comida ajudam a distrair o pet;
  • passeie com o pet antes de sair de casa para deixá-lo mais cansado.

Finalmente, para quem passa muito tempo fora de casa todos os dias, é interessante deixar o cachorro em um daycare ao menos algumas vezes na semana. Dê preferência aos locais com uma programação completa e adequada às necessidades caninas.

Meu cão já tem ansiedade de separação, e agora?

Cachorro com ansiedade: o que fazer? Se o seu amigo de patas já apresenta alguns sintomas de ansiedade, você precisa ter paciência e empatia com ele, afinal, o sofrimento que ele sente é real.

Especialistas listam três questões essenciais para cuidar do animal ansioso: o ambiente em que ele vive deve ser interessante para ele; a saúde física dele deve estar boa; por fim, ele deve usar medicamentos caso necessário.

Para deixar sua casa mais interessante para seu pet, promova o enriquecimento ambiental com desafios para ele resolver, criando obstáculos para ele transpor até achar um delicioso petisco, por exemplo.

A ansiedade de separação em cachorro também pode ser trabalhada a partir de uma avaliação do médico-veterinário. Isso é imprescindível para descartar possíveis doenças que estejam gerando a síndrome, para que ela seja tratada.

Uso de medicamentos e terapia multimodal

Em alguns casos, é preciso usar medicamentos que modulam o humor do cachorro, associados a feromônios calmantes e terapia comportamental com um veterinário especializado em comportamento canino.

Os medicamentos não precisam ser necessariamente alopatias de uso controlado. Muitos fitoterápicos estão sendo usados para acalmar o pet e têm proporcionado ótimos resultados. Porém, é imprescindível que ele tenha acompanhamento por um profissional qualificado.

Se a ansiedade de separação em cachorro é um problema que você e seu pet estão enfrentando, procure um profissional para lidar com isso com sucesso.

Fonte: PETZ